CONFIRA MATÉRIA PUBLICADA NO DIÁRIO DO COMÉRCIO: PNDS EXPANDE AÇÕES EM MINAS

Meta é transformar o produtor em empresário e ampliar a rentabilidade dos negócios.
As ações do Programa Nacional de Desenvolvimento da Suinocultura (PNDS) chegará à região Centro-Oeste de Minas Gerais ao longo dos próximos meses. Depois da etapa de capacitação dos gerentes de granjas, o treinamento agora será voltado para os proprietários dos estabelecimentos. O objetivo é transformar o atual produtor em um empresário rural, o que é fundamental para aprimorar a gestão das unidades e ampliar a rentabilidade dos negócios.
Segundo o presidente da Associação dos Suinocultores do Estado de Minas Gerais (Asemg), João Bosco Martins de Abreu, a capacitação dos suinocultores será feita através do Programa de Qualidade Total Rural (QT Rural) desenvolvido pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (Sebrae Minas). O curso será ministrado pelos consultores do Sebrae MG.
“A capacitação dos proprietários é fundamental para que a gestão seja melhorada, o que resulta em maior lucratividade. Queremos, através das ações do PNDS, capacitar os envolvidos na cadeia, para que a carne suína chegue ao consumidor final com preços mais competitivos, preservando a qualidade superior e investindo na variação de cortes. Essas ações são essenciais para incentivar o consumo e estimular a produção”, disse Abreu.
A expansão do projeto para a região Centro-Oeste do Estado é vista como fundamental para o desenvolvimento da cadeia da carne suína. De acordo com os dados da Asemg, ao longo deste ano a região contará com consultorias industriais, estudos de viabilidade de negócios, palestras a respeito da saudabilidade da carne suína, ações para inserção do produto em refeições coletivas, capacitação de açougueiros e cantineiras, festivais gastronômicos, distribuição de material, diversos cursos na área de produção, ações no varejo, entre outros.
Gestão – A capacitação através do QT Rural possibilitará aos proprietários das granjas a implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade, com o uso de ferramentas que visam a melhoria dos processos produtivos e possibilitam a melhoria da gestão do negócio.
A previsão é que ocorreram oito encontros coletivos e teóricos, no auditório do Sindicato Rural de Pará de Minas, seguido pelas consultorias práticas e individuais nas granjas participantes. A data de início depende da disponibilidade dos interessados, o que será definido ainda em maio. A expectativa é formar um grupo médio de 20 participantes. A previsão é que o curso dure em média um ano. O investimento total por granja é de R$ 3 mil.
“Durante a reunião teórica deverão participar o proprietário e o gerente da granja. Após cada encontro coletivo, haverá um encontro prático de um dia em cada uma das granjas participantes do programa, com o envolvimento efetivo do gerente da granja”, disse Abreu.
Até 2011, as ações eram desenvolvidas apenas nas regiões da Zona da Mata e Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba. Entre 2012 e 2015 deverão ser aplicados no PNDS mineiro cerca de R$ 500 mil. O objetivo do projeto é aprimorar a cadeia e impulsionar o consumo de carne suína. “Queremos estender o projeto para as regiões produtoras, com o objetivo de tornar o setor mais dinâmico, competitivo e rentável”, disse.
Com a melhoria da cadeia produtiva e a diversificação dos cortes é esperado incremento no consumo de carne suína no país. Em 2011, o consumo per capita anual, na média Brasil, ficou em torno de 15 quilos por habitante, até 2015 a meta é alcançar 18 quilos. Em Minas Gerais a média de consumo ficou em 18 quilos em 2011, e a meta é até 2015 é de ampliar para 22 quilos por habitante/ano.
Fonte: Jornal Diário do Comércio
Repórter: Michelle Valverde