SUÍNO VIVO CONTINUA VALORIZADO, INFORMA CEPEA

O suíno vivo continua valorizado na maioria das regiões pesquisadas pelo Cepea. A menor oferta de animais prontos para abate tem feito as agroindústrias proporem valores mais elevados pelos lotes para conseguir manter um mínimo de produção, mesmo que as vendas ao consumidor final não estejam tão aquecidas. É a primeira vez, considerando-se a série do Cepea, iniciada em 2004, que os preços pagos pelo suíno começam o ano acima de R$ 3,00/quilo vivo, em termos nominais – se deflacionados (IGP-DI dez/12), a maioria das regiões apresenta valores maiores que os atuais apenas em jan/05. Considerando-se a primeira quinzena de janeiro (15/jan comparado a 28/dez), as regiões do estado de São Paulo foram as que tiveram altas mais consistentes.
Nos últimos sete dias (entre 10 e 17 de janeiro), o Indicador do Suíno Vivo CEPEA/ESALQ de São Paulo subiu 4,2% – a média de preços do animal nessa quinta-feira (17) passou para R$ 3,75/kg. O preço máximo praticado no estado, de R$ 3,92/kg na quinta, chegou até mesmo a ultrapassar o valor mais alto observado em Minas Gerais no mesmo dia, de R$ 3,90/kg.
Os produtores mineiros, por sua vez, não tiveram tanto sucesso ao barganhar preços mais elevados na última semana. Até a quinta, o valor médio do quilo do suíno no estado foi de R$ 3,82. No final da tarde, produtores e frigoríficos parecem não ter chego a um consenso e a Bolsa de Suínos mineira ficou em aberto, com preço sugerido a R$ 4,00/kg. Nessa sexta, alguns produtores relatam conseguir negociar nesse valor, mas, em outras regiões, os frigoríficos estão relutantes em ceder à pressão dos suinocultores.
No Sul do País, o vivo também tem valorizado. A alta mais expressiva da semana foi no Paraná, de 3,8%, com o Indicador passando para a média de R$ 3,31/kg nessa quinta. Em Santa Catarina, o houve alta de 1,6% em sete dias e, no Rio Grande do Sul, o aumento foi de 0,3% no período: o quilo do animal passou para R$ 3,13 e R$ 3,05, respectivamente, nesses estados.
No mercado de carnes, a carcaça especial negociada no atacado da Grande São Paulo teve aumento de 3,2% entre 10 e 17 de janeiro, indo para R$ 5,96/kg nessa quinta. A carcaça comum valorizou 1% no período, a R$ 5,71/kg.

Indicadores de Preços do Suíno Vivo CEPEA/ESALQ Carcaça
Comum
MG SP PR SC RS SP
10/jan 3,76 3,60 3,19 3,08 3,04 5,66
17/jan 3,82 3,75 3,31 3,13 3,05 5,71
Var. Semanal 1,6% 4,2% 3,8% 1,6% 0,3% 1,0%

Preço recebido pelo produtor (R$/Kg), sem ICMS
Fonte: Cepea/Esalq.