MERCADO AQUECE NOS ÚLTIMOS DIAS E A BOLSA DE SUÍNOS DE MINAS GERAIS SUGERE R$3,80 (KG/SUÍNO VIVO)

A discussão do valor de comercialização do quilo do suíno vivo aconteceu entre representantes de produtores e frigoríficos na tarde desta segunda-feira (15) nas dependências da ASEMG, em Belo Horizonte.
Suinocultores iniciaram a Bolsa expondo o andamento do mercado em suas regiões durante as duas últimas semanas e a conclusão foi de que o mercado a partir da última sexta-feira (12) demonstra viés de alta, com procura por parte dos frigoríficos, principalmente os da capital. Dados apurados pelo MERCOMINAS comprovam os argumentos dos produtores e mostram que na última semana 64% das comercializações realizadas em Minas ocorreram a R$ 3,50, 13% entre R$3,80 e R$3,60 e 23% abaixo. Fora lembrado que mesmo os frigoríficos tendo pressionado para compras ao longo da semana a R$3,30, os suinocultores optaram por reterem seus animais caso o valor fosse inferior a R$3,50 e os compradores foram obrigados a ceder e a maioria pagou o valor mínimo de R$3,50.  Outro fator que deu força a pedida dos produtores foi outro dado apurado pelo MERCOMINAS que mostra que 28% dos estabelecimentos varejistas entrevistados pretendem aumentar o volume de compras em relação à semana anterior. A Bolsa de São Paulo também foi um dado impulsionador já que a mesma fechou hoje com valor entre R$3,41 a R$3,47, números superiores aos da última edição.
Notícias do mercado também contam que empresas do Sul do país fecharam vendas de cortes suínos para outros países e estão tendo dificuldades de se abastecerem, logo a entrada de carcaças dos Estados do Sul em Minas devem ser reduzidas drasticamente ou terem os custos elevados substancialmente.
Frente a este cenário, representantes dos suinocultores decidiram por uma pedida de R$ 3,80 com fechamento mínimo em R$3,60, até porque poucas foram as vendas abaixo de 3,50 em uma semana com plena reação do mercado.
Fonte: Assessoria de Comunicação ASEMG